Assistente Social acompanha atendimento à criança vítima de estupro do ES

Assistente Social acompanha família do Espírito Santo até Pernambuco e dá suporte profissional, com foco no cuidado e defesa dos direitos da menina, durante internação.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Na semana que os olhos da sociedade se voltam para a menina de 10 anos, moradora de São Mateus/ES, que foi estuprada pelo tio por um período de 4 anos e que resultou em uma gravidez, as situações de violência sexual contra crianças/adolescentes voltam a serem debatidas pela sociedade.

A situação só foi descoberta por que a criança precisou de atendimento médico, porém, infelizmente, o caso não é uma situação isolada, pois muitas crianças são vítimas deste tipo de violência cotidianamente.

O Disque 100 registrou em 2019 um total de 86.837 denúncias de violações de direitos humanos contra crianças e adolescentes, deste, 11% tratava-se de denuncias de violência sexual, ou seja, 9552 denúncias foram referentes a este tipo de violação.

Foto: Luna Markman/GloboNews

O Serviço Social, enquanto uma profissão que atua das manifestações da questão social, é chamado para atuação em casos de violação de direitos, visto o caráter da profissão.

Tendo como princípios fundamentais o compromisso ético-político com a defesa de direitos humanos de todos os cidadãos, com a defesa intransigente dos direitos humanos, com a recusa do arbítrio e do autoritarismo faz a diferença no atendimento ao cidadão/ã que sofre este tipo de violação de direitos, que é a violência sexual.

A luta da profissão é “para além de procurar a responsabilização individual como forma de enfrentamento à violência sexual de crianças e adolescentes, é preciso que os direitos fundamentais sejam assegurados para sua proteção social e integral, como o atendimento de saúde, de saúde mental, da convivência familiar e comunitária, mesmo que em família extensa, dentre outros”. (CFESS).

Nessa situação específica ocorrida com a criança de 10 anos, uma assistente social foi chamada para acompanhar a criança e sua avó desde o Espírito Santo até Recife aonde foi feito a interrupção da gravidez.

A Justiça do Espírito Santo determinou que a gestação da menina de 10 anos fosse interrompida, porém, ao ser internada no Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes, a equipe médica do Programa de Atendimento as Vítimas de Violência Sexual (Pavivi) se recusou a realizar o procedimento.

 Diante da recusa, a criança foi encaminhada para ter seu procedimento realizado em Pernambuco.


Veja também: Distanciamento social aumenta o risco de violência contra crianças e adolescentes

Veja também: Precisamos falar sobre violência doméstica


Uma assistente social acompanhou a família do Espírito Santo até Pernambuco para dar suporte neste momento de extrema delicadeza e de necessidade de garantia dos direitos da criança.

De acordo com site G1, a assistente social Bruna Marins, que trabalha na Secretaria de Saúde do ES, atendeu a garota e a família, a partir do momento em que o estado decidiu transferir a garota para Pernambuco, a pedido do secretário de Saúde do Espírito Santo. A partir daí, ela entrou em contato com as equipes de assistência social que atenderam a criança no município e do Judiciário, para acompanhar o caso.

“Todo o cuidado de que ela precisou ela obteve e as estratégias que a gente utilizava no quarto, porque estamos falando de uma criança de 10 anos, foi o lúdico. Então, a gente contava história, a gente colocou filme infantil, brincou de massinha, com os ursinhos dela, que é o que ela adora, para ela não ouvir [protestos de religiosos que foram ao Cisam após uma publicação da extremista de direita Sara Giromini nas redes sociais, divulgando o nome da criança e do hospital]”, disse.

“A gente fala de uma menina que teve a sua saúde violada, tanto fisicamente, mas emocionalmente, socialmente. Garantir o procedimento de forma legal, segura, gratuita, é garantir o direito à vida dessa criança, é garantir o direito à infância, é garantir que ela seja o que quiser ser, até porque criança é para brincar, não é para parir”, afirmou a assistente social.

Veja reportagem completa no site g1.com.br

Deixe seu comentário:

redacao@sesonoticias.com.br

Sugestão de pauta

Assuntos Relacionados

Veja também

Siga nosso Telegram

Acompanhe notícias do Serviço Social de todo o Brasil.