Capoeira: instrumento alternativo para fomentar a afrocidadanização na perspectiva do Serviço Social

Trabalho originalmente apresentado e publicado no 16º Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais (2019).
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Autores: Luciene Gustavo Silva* e Reinaldo da Silva Guimarães**

Este artigo tem como finalidade discutir como a Capoeira, enquanto um elemento importante da cultura afro-brasileira, poderá ser utilizada pelo Serviço Social para romper com a cultura dominante e, dessa forma, fomentar Afrocidadanização1 para a população negra, em especialmente para a juventude negra.

A Capoeira tem sido considerada no contexto atual como uma roda; um jogo; uma brincadeira; uma dança ou uma luta, entre outras temáticas, que perpassam ao debate acerca de uma prática que foi marginalizada e discriminada socialmente.

Esse símbolo afro-brasileiro foi reconhecido mundialmente com todas as temáticas como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade brasileira pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN.

Foto: Reprodução da internet

Desta forma, este trabalho busca trazer elementos para compreender a capoeira como capital cultural do povo afro-brasileiro e como um instrumento alternativo para que o Assistente Social busque superar os desafios encontrados em seu cotidiano de trabalho, recorrendo a esta cultura como uma possibilidade de viabilizar transformar a cultura e a consciência social da população negra e assim, empoderar e promover à cidadania a esses indivíduos historicamente estigmatizados2 pela sociedade brasileira.

Embora o tema escolhido apresente pouca produção de trabalhos acadêmicos no que tange a relação entre capoeira/cultura afro-brasileira e o Serviço Social, ele possui relevância impar para a academia e para a sociedade, no que se refere a importância de se compreender as relações sociais e a formação cultural dos indivíduos no modo de produção capitalista.

Todavia, trata-se de um tema que requer um novo olhar teleológico, que possa ampliar e suscitar debates na práxis profissional entre à cultura-capoeira e Serviço Social.


Leia também: Corpos negros no Brasil: o paradoxo entre a Bio e a Necro – política

Leia também: Outro Olhar: por uma práxis antirracista e promovedora da Afrocidadanização


O problema desta pesquisa reside em compreender como o Serviço Social pode utilizar a Cultura afro-brasileira na construção da Afrocidadanização e romper com a cultura imposta pela ideologia dominante que visa desculturalizar a população negra pelo viés do embranquecimento.

Dessa forma, o não reconhecimento da cultura afro-brasileira tem gerado vários conflitos, referentes ao preconceito, à discriminação racial, transitando pela intolerância religiosa, especialmente em relação ao processo interventivo do Assistente Social que, em muitos casos, não compreende que o debate sobre as relações raciais perpassa as expressões da questão social3 .

Assim, a discussão tem como objetivo apresentar o signo da capoeira enquanto instrumento de promoção da Afrocidadanização no processo de trabalho do Assistente Social, no âmbito da Política Nacional de Cultura Viva – PNCV.

A partir deste propósito, torna-se possível transcrever nesta pesquisa seus respectivos objetivos específicos: abordar o contexto histórico da capoeira e suas oscilações, da prática marginalizada e proibida ao reconhecimento da Roda de Capoeira e da Capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade; e apresentar como o Serviço Social pode recorrer a Capoeira para fomentar a Afrocidadanização da população negra, no contexto da lei 13.018/14 – que institui a Política Nacional da Cultura Viva (PNCV).

Dessa forma, para compor esta pesquisa científica referente à cultura-capoeira na perspectiva do Serviço Social, fez-se recurso a revisão bibliográfica, com o auxílio da pesquisa qualitativa e descritiva, além de efetuadas algumas observações participantes e conversas informais com membros de vários grupos de capoeira, assim, o tema é descortinado em dois eixos:

O primeiro eixo tece considerações sobre a cultura, em especial a cultura negra e a sua relevância como viabilizadora de valores, reconhecimento e empoderamento da juventude negra para a fomentar a Afrocidadanização em uma sociedade globalizada, por meio da capoeira como signo cultural de luta e resistência, apresentando o contexto histórico deste símbolo e as suas oscilações que transcorre nos períodos do Brasil Colonial, até a contemporaneidade onde deixou de ser considerada uma prática proibida e marginalizada como um problema social, ao reconhecimento pelo IPHAN como uma questão cultural.

O segundo eixo traz como discussão a possibilidade da constituição de um novo olhar, um olhar teleológico, na práxis do Serviço Social sobre as relações sociais e sobre as expressões da questão social, recorrendo ao âmbito da Política Nacional de Cultura Viva, tendo a capoeira como um instrumento propositivo, servindo como parâmetro para promover a autonomia e a emancipação da população negra, como elemento fomentador da Afrocidadanização da juventude negra.

Este eixo apresenta ainda, uma significativa discussão sobre a importância da instrumentalidade no processo de trabalho do Serviço Social utilizada como ferramenta pelo Assistente Social, que por meio da sua práxis, atua na intervenção das expressões da questão social, a qual se apresenta multifacetada no que tange ao racismo, e assim, concretizar o Projeto Ético-Político por meio de uma nova perspectiva no contexto de intervenções criativas.

Assim, o que se é procura é descrever uma nova possibilidade de intervenção nas expressões da questão social na práxis do Assistente Social, não só como inclusão social e redução das desigualdades, mas como reconhecimento da cultura afro-brasileira, através do signo da capoeira, no sentido de salvaguardar o patrimônio cultural da população negra e, dessa forma, contribuir efetivamente com a transformação cultural, simbólica, social e material das condições de vida dos indivíduos desta população, especialmente dos seus herdeiros, a juventude negra.

1 – O conceito forjado por Guimarães (2013) representa uma utopia de pensar maneiras de transformar as condições históricas vividas pelos indivíduos da população negra na sociedade brasileira, como alternativa ao que tem sido entendido até hoje a “democracia racial brasileira”.
Afrocidadanização representa uma utopia de pensar maneiras de transformar as condições históricas vividas pelos indivíduos da população negra na sociedade brasileira, como alternativa ao que tem sido entendido como a “democracia racial brasileira”.
Ele pretende dar concretude e incorporar empiricamente, as conquistas dos direitos significativos e pertinentes aos indivíduos em uma sociedade democrática e justa. Ou seja, seria concebido como a realização efetiva da cidadania plena para os indivíduos da população negra, historicamente subalternizados em nossa sociedade.
A concretude da Afrocidadanização representa e abarca diversos referenciais: o reconhecimento da identidade racial como positiva; o reconhecimento do protagonismo da população negra como fundadora e construtora da sociedade brasileira; o direito a igualdade e a liberdade; o direito a diferença; o direito de conquistar os benefícios sociais em igualdade de oportunidades e de condições, ou seja, a Afrocidadanização seria a realização de uma verdadeira “democracia racial”, uma equidade social na qual os indivíduos negros, sejam contemplados e estabelecidos na sociedade brasileira.

2 – Estigma – a situação do indivíduo que está inabilitado para a aceitação social plena (GOFFMAN, 1988, p.4).

3 – “[…] entende-se aqui o conjunto das manifestações (sociais, políticas e culturais) que surgem da dinâmica contraditória do desenvolvimento capitalista que põe e repõe em constante antagonismo os interesses sociais das duas classes fundamentais da sociedade (BRAZ, 2013, p. 82).

*Pós-graduanda em Serviço Social – PUC-Rio; Graduada em Serviço Social pelo Centro Universitário Anhanguera de Niterói (UNIAN) –
E-mail: lucienegustavo.seso2015@gmail.com. CV: http://lattes.cnpq.br/3074567202026864

**Doutor em Serviço Social pela PUC-Rio; Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais pela PUC-Rio; Mestre em Sociologia pelo IUPERJ; Professor da Secretaria de Estado de Educação do Estado do Rio de Janeiro; Professor Adjunto no Centro Universitário Anhanguera de Niterói (UNIAN) – E-mail: Reinaldoguimaraes_ser@yahoo.com.br. CV:http://lattes.cnpq.br/0847213852963062

Referências
BRASIL. Constituição da república federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial [da] República federativa do Brasil, Brasília, 5 de out. 1989. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm> (Acessado em 14 de maio de 2019 às 13h20min).
_. Decreto – Lei nº 13.018, de 22 de julho de 2014. Institui a Política Nacional de Cultura Viva e da outras providências. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Publicado em 27 de julho de 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13018.htm (Acessado em 30 de maio de 2019 às 16h47min).
CAMPOS, Alessandro de Oliveira. Tradição e apropriação crítica: metamorfoses de uma afroamericalatinidade. – São Paulo: EDUC: FAPESP, 2016. ISBN, p.41.
Conselho Federal de Serviço Social – CFESS. Série assistente social no combate ao preconceito. Caderno 3 /// racismo. Ed. Serra Dourada, 2016, 19 p.
Cultura Viva – O que é a política Nacional da Cultura Viva – PNCV? – Secretaria Da Cidadania e da Diversidade Cultura – SCDC – Atualizado em 06.08.2015 – Disponível em: http://www.cultura.gov.br/cultura-viva1 (Acesso em 15 de maio de 2019 as 15h20min).
CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais / Denys Cuche; tradução de Viviane Ribeiro. 2. Ed. Bauru: EDUSC, 2002, p. 35.
FREIRE, Cristina Cavalcante; RESENHA: LÉVI-STRAUSS, C. “Raça e História” in Antropologia Estrutural II Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1976, capítulo XVIII, pp. 328 – 366; 2007, p. 210. Disponível em: https://revista.ufrr.br/textosedebates/article/view/896/738 (Acessado em 17 de março de 2019 às 14h44min).
GENEROSO, Claudiney. Classes e movimentos sociais. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S. A., 2017. 192 p.
GUIMARÃES, Reinaldo da Silva. Afrocidadanização: ações afirmativas e trajetórias de vida no Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Selo Negro, 2013. 208 p.
IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. -26. Ed. – São Paulo, Cortez, 2015. 303 p.
IBERCULTURAVIVA. Lei Cultura Viva: de programa de governo a política de Estado. Em notícias 19 jan 2016. Disponível em: http://iberculturaviva.org/lei-cultura-viva-de-programa-de-governo-a-politica-de-estado/> (Acessado em 30 de maio de 2019 às 15h39min).
IPHAN – Instituto de Pesquisa Histórico e Artístico Nacional. Roda de Capoeira. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/66 (Acessado em 04 de abril de 2019 às 08h 08min).
_. Instituto de Pesquisa Histórico e Artístico Nacional. Dossiê 12 – Roda de Capoeira e Ofício dos Mestres de Capoeira. Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/publicacoes/lista?categoria=22&busca=capoeira> (Acessado em 14 de maio de 2019 às 14h34min).
KEIM, Ernesto Jacob; SILVA, Carlos José. CAPOEIRA E EDUCAÇÃO PÓS-COLONIAL: Ancestralidade, Cosmovisão e Pedagogia Freiriana. Jundiaí, Paco Editorial: 2012. 152 p.
LARAIA, Roque de Barros, 1932 – Cultura: um conceito antropológico/Roque de Barros Laraia. – 19. ed. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed., 2006, p. 63.
MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. – 2. ed. – São Paulo: Global, 2016. p. 21.
OLIVEIRA, Priscilla Rodrigues de. A Instrumentalidade do Serviço Social – A Arte Como Intervenção Emancipatória e Instrumento Inovador para o Tabalho da (a) Assistente Social. 2011. 71 f. Monografia (Graduação em Serviço Social) Universidade de Brasília, Brasília – DF, 2011.
Projeto ético político e exercício profissional em serviço social: os princípios do código de ética articulados à atuação crítica de assistentes sociais / Conselho regional de serviço Social (Org.). – Rio de Janeiro; CRESS, 2013. 134 p.
SANTOS, José Luiz dos. Coleção primeiros 110 passos. O QUE É CULTURA. São Paulo. Editora Brasiliense, 6ª edição, 1987, p. 21. Disponível em: http://www.netmundi.org/home/wp-content/uploads/2017/04/Cole%C3%A7%C3%A3o-Primeiros-Passos-O-Que-%C3%A9-Cultura.pdf (Acessado em 17 de março de 2019 às 15h10min).
SILVA, Luciene Gustavo. CAPOEIRA: instrumento alternativo para fomentar a Afrocidadanização na perspectiva do Serviço Social. 2019. 61 laudas. Monografia (Graduação em Serviço Social) Centro Universitário Anhanguera – UNIAN. Niterói – RJ, 2019.
TURINO, Célio. Ponto de cultura: o Brasil de baixo para cima / Célio Turino. – 2. ed. – São Paulo: Anita Garibaldi, 2010, p. 63 – 85.
VASCONCELOS, Maria Drosila. Pierre Bourdieu: A herança sociológica. Educação & Sociedade, ano XXIII, nº 78, Abril/2002, p. 79.
VIDOR, Elisabeth; REIS, Letícia Vidor de Sousa. CAPOEIRA: uma herança cultural afro-brasileira. – 1 ed. – São Paulo: Selo Negro, 2013. 108 p.

Deixe seu comentário

Deixe seu comentário:

redacao@sesonoticias.com.br

Sugestão de pauta

Oportunidades

Veja também

Siga nosso Telegram

Acompanhe notícias do Serviço Social de todo o Brasil.